quinta-feira, 5 de julho de 2018

Batido de pêssego e melancia.

Cá em casa temos sempre um super pequeno almoço - seja dia de semana ou dia de descanso, não há tréguas.
Iogurte com fruta, cereais tufados, sementes ou granola, tosta de abacate, manteiga de frutos secos ou creme de caju. E um valente copo de sumo.
Sumo que na verdade é um batido, daqueles em que não falta nada.

Há um disco a tocar, há seis mãos a preparar tudo e no fim há uma mesa cheia antes de começarmos mais um dia.
Não há mesmo melhor que isto!
   photo 0001_zps2pycg2x4.jpg photo 0002_zpslmsuv5yf.jpg  photo 0003_zpseidfe9yn.jpg  photo 0005_zpsnyyspfwp.jpg  photo 0004_zpscrcttve8.jpg  photo 0006_zpsxqw9uqx0.jpg  
A fruta e os vegetais vão rodando conforme a época e o que há por casa, mas fica sempre garantida a dose de todos para o pequeno almoço, mais outra para o Ricardo levar com ele e outra para eu beber durante o dia.
A água ajusta-se a gosto, caso prefiram mais líquido como um sumo, ou mais denso como um batido. Se reduzirem ainda mais, fica com consistência de um iogurte de fruta, tornando-se uma boa base para uma tigela de pequeno almoço que se pode comer à colher, com os toppings de que mais gostarem.
Fica a ideia, os essenciais são fruta bem madura e vegetais frescos, e os cajus a demolhar quando nos vamos deitar.

   photo 0007_zpslprokpkj.jpg 


Batido de pêssego e melancia

Serve 4 a 5 copos grandes


½ cháv. de cajus ao natural demolhados por 4-8 horas
½ curgete pequena
½ beterraba
1 cenoura
1 cubo de espinafres congelados
2 pêssegos grandes
400 g de melancia
1 rodela de limão, s/ casca
Água q.b.


// preparação

Triturar todos os ingredientes com água até tapar a fruta e vegetais, ajustando a gosto no final.
Se quiser bem fresco, adicione alguns cubos de gelo.




segunda-feira, 28 de maio de 2018

Pickles de cenoura fermentados - Probiótico

Quem gosta de pickles, sabe o quanto podem ser viciantes!
Estes são de fermentação natural, o que para além do sabor delicioso, lhes confere toda uma riqueza enquanto alimento probiótico.

A fermentação é um processo que tira partido do crescimento controlado de micro organismos selecionados, capazes de modificar a textura dos alimentos, o sabor e o aroma, como também as suas propriedades nutricionais.
Quando falamos de probióticos vem logo o iogurte à ideia, mas mesmo sem sair dos vegetais, temos tantos outros, como por exemplo as nossas tão tradicionais azeitonas curadas, o chucrute ou os pickles.
No caso destes, assim como do chucrute, são mantidos num líquido de conserva ácido e salgado, o que evita a contaminação por outras bactérias indesejadas que impediriam o seu consumo.
No processo industrial, cria-se uma salmoura já acidificada através da adição de vinagre e sal, que conserva os alimentos, mas não os torna probióticos.
A fermentação láctica, também chamada de fermentação selvagem, é activada pelas chamadas “bactérias boas” que que vão trabalhar durante a fermentação, ganhando-se assim as benéficas propriedades probióticas.

Isto é um resumo mesmo muito básico e leigo sobre um tema tão vasto e interessante, mas podem mergulhar na internet que encontrarão imensa informação.


A reter: depois de experimentarem, nunca mais vão parar de fazer. Cenouras, rabanetes, funcho, nabo, couve flor, cebolinhas... Há todo um mundo de vegetais para experimentar e combinações para aromatizar.

Depois de ter partilhado no Instagram uma das vezes em que fiz, foram tantos os pedidos de receitas, que aqui está ela - é rápida, é simples e o resultado conquista todos os que provam.
Juntem-lhe um paté e uma mesa de amigos e vão ver o sucesso que fazem!


   photo publicar_zpspacrfbwm.jpg 


Pickles fermentados de cenoura

1 frasco de vidro, com tampa de vidro
2 dentes de alho, esmagados
1 c. sopa de funcho fresco ou 1 c. chá funcho seco
Sementes de mostarda
Pimenta preta em grão

3 cenouras com casca, bem lavadas, cortadas em palitos

1 c. sopa sal
500 ml de água filtrada (sem cloro)



// preparação tradicional

É importante que todo o material usado na preparação esteja muito bem lavado, por isso comece por lavar e escaldar o frasco.
Misture a água com o sal, mexa para ajudar a dissolver e reserve.

Coloque os aromatizantes no frasco, depois as cenouras (com o frasco deitado fica mais fácil comprimi-las e preenchê-lo na totalidade) e por fim termine de encher com a água salgada, previamente misturada.
Feche e coloque à temperatura ambiente, num lugar fresco e sem luz solar direta, com uma taça por baixo, para apanhar algum líquido caso verta.
Deixe fermentar entre 5 a 7 dias (depende da temperatura da cozinha, deixe menos tempo se estiver calor), até que a formação de bolhas de gás pare.

Identifique com uma etiqueta a data de fermentação e consuma de imediato ou mantenha no frigorífico durante mais alguns meses, deixando que aroma continue a desenvolver-se (vão perdendo a cor).


Notas:

- É muito importante que todos os vegetais fiquem completamente submersos no líquido.
- Durante a fermentação vai produzir-se gás (serão visíveis as bolhinhas) e deve abrir o frasco devagar, para que o gás se solte lentamente.
- Caso verifique o aparecimento de bolor, não deve consumir, pois é sinal de que houve contaminação durante a fermentação.


terça-feira, 15 de maio de 2018

Salada de abóbora, batata doce e lentilhas

Que bem que soube hoje sair de casa pela manhã.
Estes dias de Primavera lavam-nos a cara com um sorriso, basta dar três passos na rua e é fácil acreditar que o dia vai ser bom.
E só podia mesmo ser, levando pela mão a minha cantadeira de eleição.

O almoço foi só meu e foi simples e rápido, porque ontem ao jantar cozinhei a olhar para ele.
Sabem como é? Aproveitando que usei o forno, fiz carga máxima e hoje foi só apanhar o que sobrou: batata doce, abóbora e tofu. Juntei lentilhas cozidas que descongelei, mais nabo fresco ralado, ervas, um molhinho para dar aquele tchan.
E já está.

Ingredientes outonais para um almoço primaveril. Vale?


   photo IMG_7239_zps8peb01ma.jpg 


Salada de abóbora, batata doce e lentilhas

Batata doce assada com casca, em cubos
Abóbora assada, em cubos
Lentilhas cozidas
Tofu assado com mostarda, cortado lascas
Nabo ralado
Coentros

Para o molho:
1 c. sopa de tahini
2 c. sopa de sumo de limão
Água q.b.
Zaatar q.b.
Sal q.b.


// preparação

Ontem assei legumes para o jantar e para além desses, assei também abóbora e batata doce embrulhados em folha de alumínio para usar noutras refeições da semana. Facilita a logística.

Partindo desse princípio, distribua os ingredientes da salada numa taça.
Para o molho, misture bem o tahini com o sumo de limão e junte água até obter consistência para ser espalhado.
Tempere a gosto (usei zaatar e sal), envolva na salada e sirva com os coentros.



quinta-feira, 5 de abril de 2018

Papas de aveia à Escocesa. Uma road trip pelas Highlands.

Ainda era Outono. E estávamos em 2014. Ainda éramos só os dois, eu e o Ricardo.
Depois de um Verão agitado com uma agenda cheia de casamentos, batizados e sessões, decidimos um pouco em cima da hora fazer esta viagem de carro pela Escócia.
Somos pessoas de sorte com o tempo quando viajamos. Em pleno Outubro, apanhámos sempre dias de sol e foi uma viagem cheia de bons momentos.
Acima de tudo, tentámos aproveitar ao máximo a natureza. Fazer caminhadas pelas montanhas, descansar os olhos naquela beleza imensa, uma beleza que nos maravilha constantemente com paisagens, com emoções e com a certeza de que ainda é possível acreditar que o nosso planeta tem futuro.



Já tinha partilhado algumas imagens analógicas, aqui, mas tinha ainda muitas outras para mostrar.
Eis que encontrei o pretexto nesta receita, espero eu, de despedida da comida de frio.
Eu sei, não faltam cá no blogue receitas de papas de aveia, mas sempre com leite.
Ora, pegando no mote do pequeno-almoço-imagem-de-marca desta viagem, não havia receita que fizesse mais sentido que esta.

Flocos de aveia, água e sal.
A versão mais simples e purista de todas, tal como os defensores das tradicionais papas de aveia à escocesa as preparam.

Há contudo pequenas nuances que permitem que a conjugação deste simples trio ganhe o justo fulgor:
Tostar os flocos para fazer sobressair o sabor da aveia, que adquire um aroma mais torrado.
Mexer, sempre, sempre, é a condição que garante a cremosidade final.
E seguindo a dica do assertivo Nigel Slater, adicionar o sal apenas perto do fim, para não endurecer os flocos.
Quando chegarmos ao ponto ideal de consistência, desliga-se e deixa-se repousar cinco minutos antes de servir, para arrefecer ligeiramente e desenvolver ainda mais o sabor.

Servidas apenas com natas ou iogurte – o mais típico porridge escocês – ou com os extras que mais gostarem, acreditem que estes são três ingredientes que se juntam para fazer magia.


   

Papas de aveia à escocesa

50 g de flocos de aveia (1/2 chávena)
360 g de água (1,5 chávena)
1 pitada de sal

Sugestões para servir:
Natas ou iogurte
Fruta a gosto (usei pera rocha fatiada)
Raspas de coco
Mel
Canela em pó
Gengibre em pó


// preparação tradicional

Comece por tostar os flocos numa frigideira.
Coloque a aveia tostada e a água num tachinho e vá cozinhando em lume brando, mexendo sempre até que engrosse, cerca de 8 a 10 minutos, acrescentando o sal apenas perto do fim.
Desligue o lume, deixe descansar tapado durante 5 minutos e depois sirva da forma que mais gostar.


// preparação robot de cozinha (bimby_thermomix)

Comece por tostar os flocos numa frigideira.
Coloque no copo a aveia e a água e programe 8 min/100ºC/vel 2 ½ inversa, sem o copinho da tampa.
Perto do fim, adicione o sal.
Depois de terminar, deixe descansar durante 5 minutos e então sirva da forma que mais gostar. 



.......................

Alguns dos locais da nossa rota:

Glasgow
Loch Lomond
Trossachs National Park
Oban
Skye
Inverness
Edimburgo


Algumas paragens que recomendo:

Hidden Lane Cafe Gallery, 1103 Argyle St, Glasgow
Museu Riverside, edifício da arquiteta Zaha Hadid, 100 Pointhouse Rd, Glasgow
Glasgow Botanic Gardens
Conic Hill 
Restaurante Ben Nevis Inn
Neist Point Lighthouse, Isle of Skye
Restaurante Red Roof, Isle of Skye
Destilaria Edradour, Pitlochry, Perthshire
Velocity Cafe, 1 Crown Avenue, Inverness
Mercados de rua de Edimburgo 
Arthur's Seat: 55.944083° N, 3.161833° W
Restaurante Earthy, 1-6 Canonmills Bridge, Edinburgh
Paper Chase, 77A George Street, Edinburgh