quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Iogurte de erva príncipe e limão

 photo 0001_zpslvv8invg.jpg  photo 0002_zpsskv6wndt.jpg  photo 0003_zpsz5gi2ygf.jpg

Cá em casa os dióspiros são os reis do Outono e agora que tenho uma companheira para os devorar, nunca podem faltar.
O Ricardo não é fã, mas a Isabel fica de olhos aos saltos quando vê o iogurte com aveia e dióspiro.
De colher na mão, cada uma com a sua taça, é ver quem acaba primeiro, eheheh
   photo 0004_zpshbn6pcyr.jpg

Normalmente fazemos iogurte natural e simples (sim, no plural, o Ricardo tornou-se um pro na arte de iogurtar), ganha depois o sabor da fruta e dos cereais que lhe fazem companhia. Mas desta vez, aproveitando a erva príncipe da horta, aromatizei o iogurte logo na preparação inicial.

E que bom que ficou!
Na minha taça vai iogurte com dióspiro-maçã, sementes de cânhamo e nozes das nossas.
E na vossa?


  photo 0005_zpsmqcsvnod.jpg 


Iogurte de erva príncipe e limão
Receita base de iogurte, com todas as dicas, aqui 

1 L de leite gordo pasteurizado, de preferência biológico
½ c. sopa de erva príncipe seca (ou 3 hastes, se for fresca)
Casca amarela de 1 limão
1 c. sopa de iogurte natural


// preparação tradicional

Aqueça o leite até quase levantar fervura.
Deixe em infusão com a erva príncipe e a casca de limão, até arrefecer.
Retire a erva príncipe e a casca de limão e volte a aquecer o leite até 50ºC.
Se não tiver termómetro, poderá aferir a temperatura certa quando conseguir aguentar lá o dedo durante uns segundos.
Caso aqueça demais, basta aguardar que arrefeça novamente até esse ponto.
Adicione 1 c. de sopa de iogurte e misture bem.

Deite num frasco de vidro grande ou nos copos da iogurteira, e deixe fermentar entre 8 a 10 horas.
Para fermentar sem iogurteira: coloque três dedos de água a ferver num frasco grande de vidro, com tampa, de preferência de 1L.
Deixe o frasco assim, enquanto prepara a mistura, para que fique morno.
Deite fora a água e depois deite a mistura de iogurte.
Embrulhe o frasco numa manta polar, junto com um saco de água quente, e deixe fermentar embrulhado, numa zona quente da casa, sem mover de lugar.
Depois de fermentar, coloque no frigorífico e consuma depois de fresco.


// preparação robot de cozinha (bimby_thermomix)

Coloque o leite no copo e aqueça 10 min/90ºC/vel 3.
Adicione a erva príncipe e a casca de limão e deixe em infusão até arrefecer.
Retire a erva príncipe e a casca de limão e volte a aquecer o leite: 5 min/50ºC/vel 2.
Junte o iogurte e misture 15 seg/vel 4.

Deite num frasco de vidro grande ou nos copos da iogurteira, e deixe fermentar entre 8 a 10 horas.
Para fermentar sem iogurteira: coloque três dedos de água a ferver num frasco grande de vidro, com tampa, de preferência de 1L.
Deixe o frasco assim, enquanto prepara a mistura, para que fique morno.
Deite fora a água e depois deite a mistura de iogurte.
Embrulhe o frasco numa manta polar, junto com um saco de água quente, e deixe fermentar embrulhado, numa zona quente da casa, sem mover de lugar.
Depois de fermentar, coloque no frigorífico e consuma depois de fresco.


 photo 0006_zpswduqo7jb.jpg

terça-feira, 22 de novembro de 2016

Muffins de maçã.

 photo 0001__zpsacvmj1lq.jpg

Nos fins de semana de sol e frio nem sempre é fácil escolher a quem dar ouvidos.
Há aquele bichinho bom chamado preguiça que nos puxa para um sofá com manta, ronha e lanche de pantufas. E há uma outra voz que nos chama do lado de lá da janela, com a promessa de passeios com vento na cara, casaco e gorro de lã, e aquele frio bom que nos enche os pulmões de energia.
Estão a ver o dilema? Acho que sabemos todos do que falo.
  photo 0002__zpsdfoj0b9h.jpg  
Pelas fotos do post de hoje dá para ver quem ganhou desta vez.
Praia maravilhosa, só mar e céu azul e areia e nós. Tudo.

Tudo e estes muffins de maçã a animar o lanche na areia, que isto de galgar areais dá fome!


   photo 0003_zps8au3mszi.jpg 


Muffins de maçã
Receita adaptada da revista Bon Appétit, Julho 2015 

Rende 12 un

200 g de farinha de trigo c/ fermento
150 g de farinha de trigo integral
150 g de açúcar mascavado (ou 210 g de tâmaras medjool, aprox. 12 un)
1 c. chá de fermento para bolos
1 c. chá de bicarbonato de sódio
1 pitada de sal
½ c. café de noz moscada
2 chávenas de maçã reineta ( 2 un), descascada, partida em cubinhos
80 g de manteiga
3 ovos
300 g de iogurte natural
Raspa e sumo de ½ limão
2 c. sopa de açúcar mascavado p/ polvilhar


// preparação tradicional

Pré-aqueça o forno a 180ºC.
Forre com papel vegetal 12 formas grandes de muffins.

Numa taça grande, misture as farinhas, o açúcar (se o substituir pelas tâmaras, adicione-as no próximo passo), o fermento, o bicarbonato, o sal e noz moscada.
Envolva 1 ½ chávena de cubos de maçã e reserve.

Bata a manteiga amolecida com os ovos, as tâmaras (caso as use como substitutas do açúcar), o iogurte e o sumo e raspa de limão até obter uma mistura homogénea e cremosa, cerca de 30 segundos.
Deite esta mistura na taça com a farinha e envolva.
Divida a massa pelas formas preparadas, distribua os restantes cubos de maçã pelas formas, polvilhe com o restante açúcar e leve ao forno a 180ºC cerca de 25-30 minutos (ao espetar um palito no centro da forma este deve sair seco)
Retire do forno e deixe arrefecer um pouco sobre uma grelha antes de desenformar.


// preparação robot de cozinha (bimby_thermomix)

Pré-aqueça o forno a 180ºC.
Forre com papel vegetal 12 formas grandes de muffins.

Numa taça grande, misture as farinhas, o açúcar (se o substituir pelas tâmaras, adicione-as no próximo passo), o fermento, o bicarbonato, o sal e noz moscada.
Envolva 1 ½ chávena de cubos de maçã e reserve.

Coloque no copo a manteiga e derreta 2 min/60ºC/vel 1.
Adicione os ovos, as tâmaras (caso as use como substitutas do açúcar), o iogurte e o sumo e raspa de limão e bata 30 seg/vel 6. Deite esta mistura na taça com a farinha e envolva.
Divida a massa pelas formas preparadas, distribua os restantes cubos de maçã pelas formas, polvilhe com o restante açúcar e leve ao forno a 180ºC cerca de 25-30 minutos (ao espetar um palito no centro da forma este deve sair seco)
Retire do forno e deixe arrefecer um pouco sobre uma grelha antes de desenformar.
    

 photo 0004__zpsrip3wanf.jpg

segunda-feira, 7 de novembro de 2016

Tarte de abóbora, espinafres e roquefort. Sabe a Outono.

 photo 0001_zpsbvterccu.jpg  
Estamos em plena época de abóboras.
Castanhas, dióspiros, romãs, cogumelos, abóboras. É isto tudo.
E a luz. Esta luz do Outono é mesmo especial.
Tenho muita dificuldade em escolher uma estação favorita porque viver em Lisboa é ter o melhor de todas elas, na medida certa.

Foi um Verão maravilhoso, fins de tarde quentes, praia aqui ao lado, o parque sempre à mão até à hora do jantar.
   photo 0002_zps6nnjobmj.jpg
 photo 0003_zpsp5lr7pon.jpg  photo 0004_zps3phi8xgq.jpg  
Agora são estes dourados a fazer de almofada às brincadeiras.
É brincar com os patinhos a sentir o fresco na cara ao fim do dia, é a paragem certa no vendedor de castanhas, é deslizar no escorrega vezes sem fim para aquecer.

Agora é a vez do Outono. E é tão bom!


   photo 0005_zpseq5ixy2h.jpg


Tarte de abóbora e espinafres com roquefort

Massa:
130 g de farinha de trigo s/ fermento
70 g de farinha de arroz integral (usei arroz pulverizado em casa)
Raspa de ½ limão
80 g de manteiga fria, em pedaços
20 g de água gelada

Recheio:
1 abóbora manteiga pequena, cortada em cubinhos
Azeite
2 dentes de alho
200 g de espinafres frescos
50 g de queijo roquefort, grosseiramente desfeito
160 g de iogurte natural
3 ovos
Sal e pimenta preta moída na hora


// preparação tradicional

Numa taça grande, misture as farinhas e a raspa de limão. Junte a manteiga gelada e vá amassando o mínimo possível com a ponta dos dedos, apenas até obter uma farofa grossa.
Junte a água bem fria, até que a farofa se torne mais homogénea.
Forme uma bola com a massa, envolva em película aderente e deixe no frigorífico por pelo menos 1 hora ou de um dia para o outro.
Estenda a massa com o rolo da massa sobre uma superfície enfarinhada e forre com ela uma forma de tarte.
Pique com um garfo e leve ao forno pré-aquecido a 180ºC cerca de 30 minutos.

Enquanto isso, prepare o recheio.
Salteie a abóbora em azeite, com o alho picado, cerca de 8 minutos.
Junte os espinafres e deixe em lume médio até murcharem.
Retire a base do forno, deite esta mistura sobre ela e distribua o queijo.
Bata os ovos com o iogurte, tempere com sal e pimenta e verta sobre o recheio.
Leve ao forno a 180ºC mais 30 minutos.

   photo 0006_zps61de8vox.jpg


 // preparação robot de cozinha / thermomix - bimby

Para a massa, deite todos os ingredientes no copo e programe 8 seg, vel 6.
Forme uma bola com a massa, envolva em película aderente e deixe no frigorífico por pelo menos 1 hora ou de um dia para o outro.
Estenda a massa com o rolo da massa sobre uma superfície enfarinhada e forre com ela uma forma de tarte.
Pique com um garfo e leve ao forno pré-aquecido a 180ºC cerca de 30 minutos.

Enquanto isso, prepare o recheio.
Coloque o alho e o azeite no copo e pique 3 seg/vel 5.
Adicione a abóbora em cubos e os espinafres e programe 10 min, Varoma, vel colher inversa.
Retire a base do forno, deite esta mistura sobre ela e distribua o queijo.
Bata os ovos com o iogurte, tempere com sal e pimenta e verta sobre o recheio.
Leve ao forno a 180ºC mais 30 minutos.

   photo 0007_zpspvsxakg5.jpg

sexta-feira, 21 de outubro de 2016

Sumo de pequeno almoço. Dióspiro e beterraba.

Falando de fruta e sumos e pequenos almoços. Só coisas boas, certo?
Prefiro sempre comer a fruta inteira, principalmente de manhã, numa taça com iogurte e granola.
Trituradas acabam sempre por perder vitaminas e nutrientes, por isso, embora sejam naturalmente a melhor opção quando se fala em sumos, mesmo os caseiros, são sempre uma bebida ocasional e não a nossa regra para consumir fruta fresca.

Mas nos dias de pequeno almoço mais demorado, disco a tocar e tentativas de ler uma revista entre as brincadeiras da miúda connosco na sala, também se vão fazendo uns sumos coloridos com o que há de época.

As beterrabas da horta do meu pai são só maravilhosas. Tão sumarentas e vibrantes!
Foram juntar-se aos meus queridos dióspiros e cá este ele: sumo cheio de outono para desejar um bom fim de semana.


 photo publicar_zpsbmvcincv.jpg


Sumo de dióspiro e beterraba


Serve 2

1 dióspiro
¼ de beterraba
1 laranja descascada
1 c.chá de sementes de cânhamo
1 copo de água
2 pedras de gelo


// preparação

Coloque todos os ingredientes numa liquidificadora ou no copo da Bimby e triture cerca de 2 minutos.
Acerte a consistência a gosto, juntando mais água se for necessário. Sirva de imediato.



terça-feira, 4 de outubro de 2016

Ketchup de ruibarbo

 photo 001-storyboard_zpsxfnyl01u.jpg

No final do Verão passado tivemos a primeira leva de ruibarbo da horta.
E com ele se fez este curioso ketchup, que é uma verdadeira surpresa de tão bom!
Dependendo da variedade do ruibarbo usado, a cor pode variar entre o mais rosado ou mais amarelado, como é aqui o caso. Mas o sabor, esse não vai desiludir.

Seja em sanduiches, carnes fatiadas ou bifes, chips de batata doce ou como extra que eleva um simples hambúrguer a outro patamar - um frasquinho deste ketchup no frigorífico nunca lá se aguenta muito tempo.


   photo 002-storyboard_zpssnnq1mjo.jpg


Ketchup de ruibarbo
Receita adaptada da revista Food & Wine, Junho de 2004 

350 g de talos de ruibarbo
30 g de vinho do Porto
20 g de vinagre de vinho branco
40 g de açúcar mascavado
Casca de meia laranja
Sal e pimenta preta moída na hora


// preparação tradicional

Num tachinho, colocar todos os ingredientes e deixar em lume médio até levantar fervura. Desligar e deixar repousar cerca de 30 minutos.
Volte a ligar o lume e deixe tapado cerca de 5 minutos, em lume brando, mexendo ocasionalmente, até o ruibarbo ficar tenro.
Retire a casca de laranja e triture. Tempere com sal e pimenta.

Coloque num frasco de vidro e guarde no frigorífico.
Cá em casa conservou-se assim pelo menos um mês.


// preparação robot de cozinha (bimby_thermomix)

Coloque todos os ingredientes no copo e programe 8 min/100ºC/ c. inversa. Quando o tempo terminar, deixe repousar cerca de 30 minutos.
De seguida, programe 5 min/100ºC/ vel c.inversa. Retire a casca de laranja e triture 30 seg/vel 7. Tempere com sal e pimenta, misture e, se necessário, rectifique os temperos.

Coloque num frasco de vidro e guarde no frigorífico.
Cá em casa conservou-se assim pelo menos um mês.

     photo 003-storyboard_zpsnv3tnyhp.jpg

quarta-feira, 3 de agosto de 2016

Filetes a vapor limpa-frigorífico

Cá em casa gostamos muito de um bom peixinho com legumes. Pequenos e graúdos, é petisco que traz sorrisos à família toda.
Principalmente neste calorão que se instalou, apetece mesmo é comida mais leve e de preparação simples e pouco trabalhosa, perfeita para quando chegamos da praia já em cima da refeição e procuramos qualquer coisa que “se faça sozinha”.
   photo 094_zpsr3yp0e1y.jpg

Se não é grelhado como tão bem sabe no Verão, mas tão pouco apetece nos apartamentos e na correria dos dias de semana, seja a vapor.
Desta vez foram filetes, pedidos para arranjar na banca do mercado, mas também faço muitas vezes com peixe em posta.
Trazer sempre o “bicho” todo, que dele se fazem os caldos perfeitos para qualquer arroz, sopa ou massada de sabor a mar.

Tenho acompanhado muitas vezes com uma salada de batata e pesto que merece receita própria, mas acabo por nunca a fotografar antes de ir para a mesa e é daquelas coisas que só sobra a taça vazia. Da próxima vez que fizer, não falha!
Mas nestes era dia de limpeza ao frigorífico e para além das batatinhas novas, foram para o papelote curgete, cenoura e chuchu da horta.
Os legumes são a gosto, é daquelas receitas óptimas para aproveitar o que houver por casa.

Aqui fica, então, colorido e cheio de sabor, um peixe cozido com ar de festa. E sabor a horta de Verão.


   photo publicar_zpsqhauh72c.jpg 


Filetes ao vapor com legumes da horta

Serve 4

4 filetes de robalo (ou outro peixe a gosto)
1/3 chávena (80g) de azeite
Sal e pimenta preta moída na hora
1 limão
2 mãos cheias de coentros
200 g de vegetais cortados em cubinhos (usei cenoura, curgete e chuchu)
400 g de batatinha nova cortada em rodelas de aprox. 3 mm


// preparação tradicional

Seque o peixe com papel de cozinha, tempere com sal, pimenta e a raspa de meio limão, regue com o azeite e deixe a marinar no frigorífico por uns 30 minutos.

Escorra o azeite para uma taça, misture o sumo de limão e os coentros picados e deixe em repouso enquanto prepara o peixe.
Disponha cada um dos filetes sobre um quadrado de papel vegetal de 20x20cm, distribua uma porção da mistura de vegetais por cima e feche.
Cozinhe os papelotes numa panela a vapor ou no forno pré-aquecido a 180ºC durante cerca de 20 minutos e, ao mesmo tempo, coza também as batatas.

Quando terminar, sirva o peixe com os vegetais e as batatas, temperados com o azeite de coentros reservado.


// preparação robot de cozinha (bimby_thermomix)

Seque o peixe com papel de cozinha, tempere com sal, pimenta e a raspa de meio limão, regue com o azeite e deixe a marinar no frigorífico por uns 30 minutos.

Escorra o azeite para o copo, junte o sumo de limão e os coentros e bata 5 seg/vel 4. Retire e reserve.
Disponha cada um dos filetes sobre um quadrado de papel vegetal de 20x20cm, distribua uma porção da mistura de vegetais por cima, feche e coloque dois na Varoma e outros dois no tabuleiro de cima.
Coloque 400 g de água no copo, insira o cesto com as batatas, monte a Varoma e programe 25 minutos/Varoma/vel 2.
Retire a varoma com o peixe e confirme a cozedura das batatas.
Se necessário, programe mais 5 min/Varoma/vel 2, apenas com o cesto.

Quando terminar, sirva o peixe com os vegetais e as batatas, temperados com o azeite de coentros reservado.

   photo 095_zpskuk9jmjj.jpg

quinta-feira, 30 de junho de 2016

Bolo de alperce, coco e amêndoa

Chega o Verão e é aquele tudo-ao-mesmo-tempo-agora.
O trabalho que por aqui acelera a velocidade desenfreada, as férias e miniférias a espreitar por todos os cantos do calendário, a família e os amigos, o sol e a praia, os piqueniques e as patuscadas – apetece tudo!

 photo 003-storyboard_zpsshe75yca.jpg

Ontem foi quarta feira, mas entre fotógrafos - que trabalhamos principalmente ao fim de semana - os dias de descanso são quando a agenda deixa. E ontem soube a domingo. Oh yeah!

Fizemos um brunch, à hora do lanche, em mood de piquenique - estão a ver o conceito?? ahahah.

A minha contribuição, aqui nas mãos da Cláudia:
Um chá gelado de erva príncipe, gengibre e limão. Fresquinho e bem perfumado, com ervas da horta dos meus pais.
E um bolo. Pareceu-me tão boa ideia pegar em duas mãos cheias de alperces veranis e fazer um bolo para levar.

Ai, Verão, que bom que chegaste.


   photo IMG_5720_zpstp7orfch.jpg 

Bolo de alperce, coco e amêndoa

10 alperces, descascados e descaroçados, cortados em metades
80 g de amêndoa com pele
40 g de coco
100 g de farinha de trigo integral
160 g de farinha de trigo p/ bolos
2 c. chá de fermento
1 pitada de sal
5 ovos
Raspa de ½ limão
240 g de açúcar amarelo
200 g de manteiga amolecida


// preparação tradicional

Prepare os alperces e reserve.
Pré-aqueça o forno a 180ºC.
Forre uma forma redonda de bolo de fundo amovível, de 26 cm, com papel vegetal e unte-o manteiga e polvilhe com farinha.

Pulverize finamente a amêndoa e envolva com o coco, as farinhas, o sal e o fermento. Reserve.
Bata as gemas com o açúcar e a raspa de limão até que a mistura aumenta de volume.
Junte a manteiga e depois a mistura de farinhas.
Bata as claras em castelo com uma pitada de sal e envolva-as delicadamente na massa com uma vara de arames.

Deite a massa na forma, alisando bem a superfície. Distribua os alperces por cima, com a face cortada virada para baixo e leve ao forno a 180ºC durante aproximadamente 35 minutos ou até que um palito espetado no centro saia seco.


// preparação robot de cozinha (bimby_thermomix)

Prepare os alperces e reserve.
Pré-aqueça o forno a 180ºC.
Forre uma forma redonda de bolo de fundo amovível, de 26 cm, com papel vegetal e unte-o manteiga e polvilhe com farinha.

Pulverize a amêndoa com a casca de limão 15 seg/vel 9.
Junte o coco, as farinhas, o fermento e o sal e misture 4 seg/vel 4. Retire e reserve.
Insira a borboleta e bata os ovos com o açúcar 5 min/37ºC/vel 3. Repita mais 2 min/vel 3.
Adicione a manteiga e programe 10 seg/vel 3.
Junte a mistura reservada de farinhas e envolva 5 seg/vel 3.

Deite a massa na forma, alisando bem a superfície. Distribua os alperces por cima, com a face cortada virada para baixo e leve ao forno a 180ºC durante aproximadamente 35 minutos ou até que um palito espetado no centro saia seco.


sexta-feira, 27 de maio de 2016

Granola à Time Out

Esta semana a revista Time Out tem um sabor especial.
Porque o tema é Lisboa e a alimentação saudável.
E porque a foto da capa é minha e ainda traz uma receita aqui do No Soup no recheio.

Tão contente com o resultado deste trabalho para uma revista de que gosto tanto.
   photo IMG_2584_zpszesfiwnt.jpg

O briefing era bastante aberto e por isso fui experimentando diferentes opções.
Até que pensei na granola. Era o que faltava ali para dar aquele aspecto que apetece comer - uma taça de iogurte com granola.
Não tivesse ao pequeno almoço acabado com a última fornada da que tinha cá em casa e não haveria agora uma receita para partilhar.
Coisa que nunca falta por aqui e calhou logo de ter esvaziado o frasco de manhã...

A que faço é muito simples (estão cá diferentes variações no blogue), mas precisa de algum tempo de forno.
Podia ter usado uma de compra, mas não teria graça alguma.
A solução foi por isso experimentar fazer uma versão de fogão, e assim em 1-2-3 há granola caseira para as fotos.
Não sou grande fã de passas, mas resolvi usá-las para adicionar algum contraste, e a verdade é que  ficam estaladiças e crocantes, revelaram-se uma surpresa.
Assim que provei lembrei-me da granola maravilhosa do Level e esta ficou tão, tão parecida – o segredo está nas passas crunchy.

O entusiasmo foi tal que quando acabou (desapareceu num instante) e precisei de fazer mais, voltei novamente ao fogão.

Podia chamá-la de granola de frigideira, mas assim tem muito mais graça!


   photo IMG_2582__zpsf1wkvfvt.jpg 


Granola à Time Out

3 c. sopa de azeite
2 c. sopa de mel de urze
Canela ou gengibre em pó, baunilha... - opcional
1,5 chávena de flocos de cereais a gosto (usei aveia, centeio e arroz)
1/3 chávena de sementes de abóbora e girassol
1/2 chávena de amêndoas grosseiramente partidas e passas


// preparação

Aqueça o azeite, o mel com o aroma a gosto numa frigideira de fundo largo.
Junte os restantes ingredientes e deixe em lume médio, mexendo frequentemente, até dourar e ficar com aspecto tostado, mas sem queimar (aproximadamente 10 minutos).
Desligue e aguarde que arrefeça, para que fique bem estaladiça, e guarde de seguida num frasco.

Sirva com iogurte e fruta fresca.

sexta-feira, 13 de maio de 2016

Porque eu acredito na Primavera. Salada de favas e funcho

 photo 001_zpsygodvam6.jpg photo 002_zpspbadrjwb.jpg

Se o último post trazia a Primavera em jeito doce, hoje chega em modo salgado.
Pelo menos na horta e à mesa o calendário não falha. Valha-nos isso como consolo para esta chuva e frio contantes tão fora de época...
   photo 003_zpsnhh088rk.jpg

Tudo o que é sazonal é certamente mais saboroso, mas quando a temporada é daquelas bem curtas, a vontade de cozinhar torna-se quase uma urgência - favas frescas são um verdadeiro objecto de desejo!
Não faltam ideias para elas cá no blogue e seja qual for o destino que tenham, sei que vão fazer-me sempre sorrir.

Na receita de hoje são mesmo o único ingrediente cozinhado.
Simplesmente cozidas, mas vindas da horta do meu pai e trazidas já prontas a comer pela minha mãe, é um simples que vale por tudo.
Na sacola também vinham cenouras, cebola nova e funcho, por isso nem houve o que pensar quanto ao jantar.

Como acompanhamento, entrada ou prato principal, a Primavera aqui canta cheia de sabor.
Vale sempre a pena acreditar na Primavera!


 photo 004_zpslz1lk7qe.jpg 


Saladas de favas com funcho

Favas cozidas com coentros
Cebola nova, em rodelas finas
Cenoura ralada
Maçã ralada
Bolbo de funcho, em rodelas finas

Para o molho:
3 c. sopa de azeite
Sumo de meio limão
½ c. chá de mostarda de boa qualidade
1 c. sopa de rama de funcho


// preparação

Disponha todos os ingredientes da salada num prato de servir.
Misture bem os ingredientes do molho, regue a salada e sirva de seguida.

   photo 005_zps628hpe8l.jpg

sexta-feira, 6 de maio de 2016

Bolo de morangos balsâmico

Esta receita vem de um dos meus blogues favoritos e que tantos anos depois ainda me inspira sempre.
Resiste a modas e modismos e mantém-se aquilo que é desde o início: autêntico, despretensioso e cheio de sabor - se não conhecem o Chucrute com Salsicha, não percam tempo e vão até lá.

Lembro-me de ver esta receita quando a Fernanda a publicou e ficar logo cheia de vontade de experimentar.
Tinha um almoço em casa de amigos e nem pensei duas vezes em fazer para levar. Porque se é receita da Fer, não há erro, será sempre aprovadíssima.
   photo 0001_zpsuq4cuaiv.jpg

E não falhou! 
Foi na Primavera passada e foi feita tal e qual a original, uma delícia rápida e simples.

A ideia da fruta com o vinagre balsâmico é tão maravilhosa, que acabei por adaptá-la também à 
receita de bolo de pêssegos e pistáchios do meu livro Velocidade Colher.

Foi sendo feita várias com mais isto ou mais aquilo, e às tantas já não era nem uma receita, nem outra.
Sabem como é, certo? Quem conta um conto, acrescenta um ponto e quem junta duas receitas, fica com uma nova.

Resulta muito bem como sobremesa, mas também como estrela de um pequeno almoço de fim de semana ou ao lanche, com uma mesa cheia de conversa animada.
Agora que os morangos começam finalmente a chegar com a cara, cheiro e sabor que só a Primavera lhes dá, lá voltou este bolo ao forno cá de casa.

Mesmo que os dias solarengos insistam em esconder-se novamente no fim de semana, um bolinho destes parece-me uma boa ideia para sentirmos o gosto da estação, mesmo que a chuva caia lá fora.

Bom fim de semana!


   photo 0002_zpsgujandpt.jpg 


Bolo de morangos balsâmicos

500 g de morangos, cortados em metades
2 c. sopa de vinagre balsâmico

80 g de amêndoa
Casca de 1 limão
40 g de farinha de trigo integral
1 pitada de sal
1 c. chá de fermento p/ bolos
2 ovos
80 g de açúcar
60 g de manteiga


// preparação tradicional

Misture cuidadosamente os morangos com o vinagre e deixe marinar cerca de 30 minutos.

Pré-aqueça o forno a 180ºC.
Unte uma tarteira de 24 cm com manteiga e polvilhe com farinha.

Pulverize a amêndoa com a raspa finamente ralada do limão e depois envolva com a farinha, o sal e o fermento. Reserve.
Bata as gemas com o açúcar até que a mistura aumenta de volume.
Junte a manteiga e depois a mistura de farinha.
Bata as claras em castelo com uma pitada de sal e envolva-as delicadamente na massa com uma vara de arames.

Deite a massa na forma, alisando bem a superfície.
Distribua os morangos marinados por cima, regue com a calda e polvilhe com 1 c. chá de açúcar.
Leve ao forno a 180ºC durante aproximadamente 30 minutos.


// preparação robot de cozinha (bimby_thermomix)

Misture cuidadosamente os morangos com o vinagre e deixe marinar cerca de 30 minutos.

Pré-aqueça o forno a 180ºC.
Unte uma tarteira de 24 cm com manteiga e polvilhe com farinha.

Pulverize a amêndoa com a casca de limão 15 seg/vel 9.
Junte a farinha, o fermento e o sal e misture 4 seg/vel 4. Retire e reserve.
Insira a borboleta e bata os ovos com o açúcar 2 min/37ºC/vel 3. Repita mais 2 min/vel 3.
Adicione a manteiga e programe 10 seg/vel 3.
Junte a mistura de farinha e envolva 5 seg/vel 3.

Deite a massa na forma, alisando bem a superfície.
Distribua os morangos marinados por cima, regue com a calda e polvilhe com 1 c. chá de açúcar.
Leve ao forno a 180ºC durante aproximadamente 30 minutos.